Ribeirão Preto, 22 de novembro de 2017

A história do melhor piano do mundo doado ao Teatro Pedro II

Em 1999, quando eu era presidente da Ceterp, no governo do saudoso prefeito Jábali, o nosso maravilhoso Teatro Pedro II vivia um grave problema: não tinha um piano de concerto à altura de seus espetáculos. Havia um velho piano que já não mais se prestava aos grandes concertos. O Presidente da Fundação Pedro II, Kiko Pagano, estava angustiado com a situação. Mas como conseguir aproximadamente 200 mil dólares para adquirir um Steinway de cauda para concerto? Este sim, um piano à altura de nosso Teatro.

Foi aí que tive uma Ideia. A Ceterp estava ampliando suas centrais telefônicas com equipamentos fornecidos pela Ericsson. Antes de assinar o contrato chamei os diretores da Ericsson para uma conversa aqui em Ribeirão Preto. Levei a Diretoria para conhecer o Teatro Pedro II e eles ficaram maravilhados.

Foi aí que eu lhes disse ”meus senhores, estamos prestes a assinar um contrato de 18 milhões de dólares. É a segunda expansão que fazemos com equipamento Ericsson. Nós nunca lhes pedimos nada além do que rezam os contratos. Mas hoje eu estou pedindo aos senhores um grande presente para Ribeirão Preto: eu quero que a Fundação Ericson doe ao Teatro Pedro II um piano Steinway de cauda para concerto”.

A diretoria da Ericsson concordou em nos dar esse presente. Feita a doação, o nosso grande pianista internacional Caio Pagano foi aos Estados Unidos à fabrica da Steinway & Sons para inspecionar e aceitar o piano, antes de ser embarcado para o Brasil.

Esta é a história de como o nosso teatro conseguiu o melhor piano do mundo e, assim, toda vez que ouço os acordes do Steinway em um concerto no Pedro II não posso evitar a emoção e meu coração bate mais forte que o de todos.